Crescem as zonas mortas nos oceanos

Categories Soluções Ambientais
Crescem as zonas mortas nos oceanos

Segundo um estudo publicado na revista Science, as áreas sem oxigênio nas águas abertas do oceano quadruplicaram de tamanho desde meados do século 20. E as zonas com oxigênio mínimo perto das costas se multiplicaram por 10.

As consequências desse fator podem causar a extinção em massa de espécies a longo prazo, apresentando risco à vida de milhões de pessoas que dependem do mar como fonte de trabalho.

“Os maiores eventos de extinção na história da Terra foram associados a climas quentes e a deficiência de oxigênio nos oceanos”, afirmou Denise Breitburg, especialista do Centro de Investigação Ambiental Smithsonian, nos Estados Unidos, e principal autora do estudo.

“Na atual trajetória, é para isso que estamos seguindo. Mas as consequências para os seres humanos de continuar por esse caminho são tão extremas que é difícil imaginar que chegaremos tão longe indo nessa direção.”

As zonas mortas recebem esse nome porque são poucos os organismos que conseguem sobreviver na região não oxigenada. A maioria dos animais se sufoca e morre.

Os níveis baixos de oxigênio impedem o crescimento de animais, além de causarem também problemas reprodutivos e doenças.

As mudanças climáticas, obra da atividade humana, carregam a grande parte da culpa da expansão das zonas mortas, principalmente nas águas abertas.

Substâncias químicas perigosas podem também surgir com o fenômeno, como o dióxido de nitrogênio, um gás com efeito estufa 300 vezes mais impactante que o dióxido de carbono.
Os especialistas apontam para uma solução coletiva.

“Parar a mudança climática exige um esforço global, mas mesmo as ações locais podem ajudar a diminuir o oxigênio produzido pelo excesso de nutrientes”, disse Breitburg.

De acordo com os autores do estudo, implantar medidas para reduzir o aquecimento global ajudaria a impedir o crescimento do fenômeno. E criar áreas marinhas protegidas, para que os animais consigam escapar dos baixos níveis de oxigênio, onde a pesca seria proibida, seria uma solução de curto prazo.